Mínimo terá maior valor real em 24 anos

Tamanho da Letra:

Segundo Dieese, salário se aproxima de patamar de 1986, quando congelamento de preços e abono valorizavam rendimento. Para técnico da entidade, arredondamento para R$ 510 pode indicar um provável reajuste baixo em 2011; Lula assina MP hoje

Segundo Dieese, salário se aproxima de patamar de 1986, quando congelamento de preços e abono valorizavam rendimento. Para técnico da entidade, arredondamento para R$ 510 pode indicar um provável reajuste baixo em 2011; Lula assina MP hoje

O reajuste real de cerca de 6% que o governo deve conceder ao salário mínimo aproxima-o de seu maior patamar real em 24 anos, de acordo com estudo divulgado ontem pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

A palavra final de Lula autorizando o aumento do mínimo para R$ 510, conforme a Folha antecipou na edição de ontem, foi dada ao ministro Paulo Bernardo (Planejamento) na Base Aérea de Brasília, no final da tarde de ontem. Ficou acertado que Lula assina hoje a medida provisória.

Com os R$ 510 que devem vigorar a partir de janeiro, o mínimo, que indexa os rendimentos de cerca de 46 milhões de pessoas, avizinha-se do valor vigente em 1986, proporcional a cerca de R$ 520 atuais. Naquela época, o Plano Cruzado, introduzido pelo governo Sarney, controlou temporariamente a hiperinflação e concedeu abono ao salário mínimo.

Em seguida, porém, os fracassos de sucessivos pacotes econômicos em deter a inflação levaram-no, em 1995, ao seu menor valor real, equivalente hoje a apenas R$ 251.
O estudo indica ainda que a relação entre o valor do novo mínimo e o da cesta básica será a mais favorável desde 1979. Com R$ 510, o consumidor poderá adquirir 2,17 cestas básicas em 2010, ante duas no ano passado e apenas 1,02 em 1995.

"Compensação"

Em relação aos impactos macroeconômicos do reajuste, estima-se em R$ 26,6 bilhões o montante injetado na economia e em R$ 7,7 bilhões o incremento na arrecadação tributária sobre o consumo.

Se fosse seguida a regra de aumento aplicada desde 2007, que toma por base a inflação do período mais o crescimento do PIB de dois anos antes, o valor do novo mínimo seria de cerca de R$ 507. O governo atribui o arredondamento a dificuldades relacionadas com as máquinas de saque, que em geral trabalham com cédulas de R$ 10.

Para o técnico do Dieese José Silvestre, porém, esse arredondamento pode ter sido motivado pela perspectiva de crescimento zero do PIB neste ano.

"Como o aumento real é calculado a partir do PIB de dois anos atrás, em 2011 o ganho será praticamente nulo. O acréscimo de R$ 3 pode ser uma tentativa de compensação", diz.
Responsável pelo estudo, o Dieese é formado por centrais sindicais que, a partir de 2004, participaram de campanhas pela valorização do mínimo.

Boletim Eletrônico

Inscreva-se em nosso Boletim Eletrônico para manter-se informado.

Mensagem da AFABB-DF

Associação com 17 anos (2000 - 2017) de atuação permanente na defesa e preservação dos interesses dos associados o que determina nossa razão de ser!

Sempre mais forte com sua participação,

A AFABB-DF

Contato

 
 (61)3226.9718 / Fax: (61)3323.2781
 Setor Bancário Sul - Quadra 02 Bloco A Edifício Casa de São Paulo - Salas 602/604 - Brasília/DF - CEP: 70078-900